O Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO), por meio do Núcleo de Inteligência e Segurança Institucional (NIS), alerta a magistrados e servidores para que tenham conhecimento de que criminosos têm se passado por juízes do Poder Judiciário do Tocantins para obter vantagens indevidas.

Segundo apurado pelo NIS, os suspeitos agem de três formas:

- apresentam-se como juízes e ligam para repartições públicas ou prestadores de serviços solicitando a indicação de motoristas ou aluguel de veículos, mediante pagamento de diárias e demais despesas, com isso, enviam falso comprovante com valor superior ao ajustado e solicita que seja devolvida a quantia a maior, indicando uma agência/conta ou PIX de um terceiro, pessoa física, usualmente de outro Estado;

- apresentam-se como juízes e ligam para repartições públicas ou prestadores de serviços alegando a necessidade de realização de diligências ou serviços e, durante as trocas de mensagens, chegam a solicitar recargas de celulares;

- apresentam-se como juízes e ligam para familiares de presos exigindo o pagamento de fiança.

Nas três situações, o NIS informa que o suspeito pode usar também o nome de juízes federais, promotores de Justiça, delegados e policiais civis e outras autoridades. Além disso, as fraudes podem conter o uso dos emblemas de identificação das respectivas instituições. As tratativas fraudulentas geralmente se desenvolvem por meio do aplicativo WhatsApp com  DDD 63 para dar impressão de que o falsário encontra-se no Tocantins. 

Registro de ocorrência

O TJTO reforça a importância do registro policial da ocorrência diante do crime, tentado ou consumado, dirigindo-se a uma Delegacia de Polícia Civil ou via internet, mediante acesso ao link: delegaciavirtual.sinesp.gov.br.

Texto: Samir Leão

Comunicação TJTO