Graduou-se, no ano de 1982, em Administração de Empresa e Pública pela Faculdade Anhanguera de Ciências Humanas, na cidade de Goiânia-GO, e em Direito pela Universidade de Ribeirão Preto, na cidade de Ribeirão Preto-SP, no ano de 1988. É pós-graduada em Direito Civil e Processo Civil, em Direito Penal e Processo Penal, em Direito Constitucional e mestre em Prestação Jurisdicional e Direitos Humanos pela Universidade Federal do Tocantins, no ano de 2021.

Ingressou na magistratura no Estado do Tocantins em 29 de setembro de 1989 – DJ de 2.138/89, foi juíza titular da Vara de Precatórias, Falências e Concordatas da Comarca de Palmas-TO, onde atuou durante 13 anos. Antes disso, também foi juíza substituta nas comarcas de Miranorte e Araguaína, e titular nas comarcas de Augustinópolis, Arraias, Paraíso do Tocantins e Palmas.
Em 1989, atuou na 28ª Zona Eleitoral na cidade de Miranorte; em 1992, na 21ª Zona Eleitoral, em Augustinópolis; em 1993, na 22ª Zona Eleitoral, em Arraias; em 1993/1995, na 7ª Zona Eleitoral, em Paraíso do Tocantins; e em 1995/1997, na 24ª Zona Eleitoral, em Araguacema.

Exerceu também a função de Juíza Membro Substituta do Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Tocantins nos anos de 1997/1999; de Juíza Membro Auxiliar no ano de 1998; e de Juíza Membro Efetiva nos anos de 1999/2001 e 2001/2003, sendo eleita Presidente do TRE-TO para o biênio 2015/2017 e, no biênio seguinte (2017/2019), foi eleita vice-presidente, corregedora regional eleitoral e diretora da Escola Judiciária Eleitoral.
Em 1997, foi designada para atuar junto à Turma Recursal como membro titular, assumindo a sua presidência no biênio 1999/2000. Em 2009, compôs a 2ª Turma Recursal durante um mês e meio.

De 1998 a 2005 foi diretora do Foro da Comarca de Palmas, retornando à função no ano de 2009. Ainda em 2009, a desembargadora Ângela Prudente foi coordenadora das atividades da Unidade Móvel de Trânsito, do Projeto Protege e sub-coordenadora do Projeto Justiça Efetiva e Resolução de Processos.

Foi conselheira fiscal da Associação dos Magistrados Brasileiros – AMB, de dezembro de 2007 até dezembro de 2010, bem como compôs a Mesa Diretora da Associação dos Magistrados do Estado do Tocantins – Asmeto como secretária em 1989/1991; segunda tesoureira em 2000/2002; diretora social em 2002/2004 e 2008/2010; e presidente em 2004/2006 e 2006/2008.

Ainda foi conselheira municipal e estadual dos Direitos da Mulher – COMDM e Cedim – 2000/2001; titular, representando o Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins junto ao Cedim - 1º de janeiro de 2008 a 31 de dezembro de 2010; conselheira fiscal da Associação das Mulheres de Carreira Jurídica (ABMCJ) – Seção Tocantins - triênio 2000/2003; sendo que, em 2015, foi nomeada coordenadora estadual do Capítulo Brasileiro da International Association of Women Judges – CBIAWJ, organização internacional que permite a identificação e o reconhecimento da magistrada brasileira no universo do judiciário mundial.

Em 2010, foi promovida desembargadora do Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins pelo critério de merecimento, e, logo após ingressar à Corte, foi eleita corregedora-geral de Justiça, biênio 2011/2013. No biênio de 2013/2015, atuou à frente do Poder Judiciário como presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins. Em seguida, foi eleita Ouvidora Judiciária para o biênio 2015/2017 e reconduzida ao cargo na gestão 2017/2019. No biênio 2019/2021, ocupou o cargo de vice-presidente do Tribunal Tocantinense.

Em 2021, a conclusão de seu mestrado em Prestação Jurisdicional e Direitos Humanos pela Universidade Federal do Tocantins - cuja dissertação intitulou-se “Teoria e Prática sobre Conciliação nos Cursos de Direito nas Instituições de Ensino Superior (IES) de Palmas-TO: Diagnósticos e Viabilidade de Implantação de Cejuscs nos Núcleos de Práticas Jurídicas” – deu origem ao Termo de Cooperação Técnica nº 3/2020 entre o Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins e o Centro Universitário Luterano de Palmas (Ceulp/Ulbra), o que ensejou instalação, em 12/05/2022, do primeiro Cejusc do Estado do Tocantins em uma instituição de ensino superior.

Atualmente ocupa o cargo de vice-corregedora-geral de Justiça (biênio 2021-2023), bem como integra os seguintes órgãos fracionários da Corte Tocantinense: Tribunal Pleno, 2ª Turma da 1ª Câmara Criminal, 2ª Turma da 2ª Câmara Cível, Conselho da Magistratura (Membro), Comissão de Jurisprudência, Documentação e Memória (Presidente), Comissão de Regimento e Organização Judiciária (Membro), Comissão de Sistematização (Suplente), Comissão de Distribuição e Coordenação (Suplente), Comissão de Orçamento, Finanças e Planejamento (Suplente), Comissão Gestora do Plano de Logística Sustentável (Presidente), Comitê Gestor Permanente do Prêmio CNJ de Qualidade (Presidente e Coordenadora do 2º Grau), Comitê Gestor do Projeto Gestão de Pessoas por Competências (Presidente), Núcleo de Cooperação Judiciária (Supervisora) e Comissão Especial para Estudos e Preparação do Processo de Criação do Centro de Memórias do Poder Judiciário do Estado do Tocantins (vice-presidente).

Dentre as honrarias recebidas ao longo dos 33 anos de magistratura com foco na justiça cidadã, destacam-se os títulos de Cidadã Augustinopolina (2013), Grande Cruz da Ordem do Mérito Desembargador Joaquim Theotônio Segurado (2014), Cidadã Palmense (2013), Ouvidor Emérito (2019), Cidadã Tocantinense (2019) e Associada Honorífica da Associação Brasileira das Mulheres de Carreira Jurídica – ABMCJ (2019), além da Medalha Mérito Tamandaré (2013), Medalha da Ordem de Mérito Naval (Grau de Comendador) (2014) e Colar do Mérito Estadual Governador Siqueira Campos, pelo Tribunal de Contas do Estado do Tocantins (2016).