Com uma programação voltada para temas ligados à inovação tecnológica, o período da manhã do segundo dia do IV Encontro do Conselho de Presidentes dos Tribunais de Justiça do Brasil (Consepre) foi marcado por palestras e discussões acerca das transformações digitais no Judiciário e no mundo.

As atividades, iniciadas nesta quinta-feira (6/10), foram abertas pelo diretor geral da Escola Superior da Magistratura Tocantinense (ESMAT) e presidente do Colégio Permanente de Diretores de Escolas Estaduais da Magistratura (COPEDEM), desembargador Marco Villas Boas.

Abertura

Ao abrir a primeira palestra “O Papel do Ecossistema na Transformação Digital”, com o advogado Ademir Piccoli, o desembargador Marco ressaltou sua gratidão pela realização do Evento. “Eu fico muito grato em ver acontecendo em torno do Consepre essas reuniões, para mim estruturantes, de magistrados e do pessoal da área da tecnologia da informação”, disse.

Ainda em sua fala, destacou a importância de disseminação da informação no Judiciário, “se pensarmos em gestões administrativas dos tribunais sob um enfoque de governança, sabemos que a informação técnica não pode ficar isolada, tem de permear todos os níveis hierárquicos, todas as estruturas internas. Ela tem de ser vertical, horizontal, transversal; tem de transitar em todos os sentidos”, explicou.

O desembargador também frisou como, apesar das transformações e facilidades tecnológicas, o contato humano ainda é primordial para resoluções de conflitos. “Não podemos com isso nos distanciar, vivermos exclusivamente no virtual, como se fossemos uma plataforma ou uma rede social. O Judiciário é muito mais que isso, muitas vezes é aconchego, vivencia dramas dos mais complexos problemas de família, situações que precisam de amparo e grupos interdisciplinares que atendam a pessoa humana”, finalizou.

Palestra “O Papel do Ecossistema na Transformação Digital”

Ministrando a palestra “O Papel do Ecossistema na Transformação Digital”, o advogado e idealizador do Judiciário Exponencial, Ademir Piccoli, provocou importantes reflexões sobre a análise de quais tecnologias podem impactar o Judiciário no futuro.

Em sua fala, o palestrante destacou pontos relevantes sobre as transformações digitais e oportunidades exponenciais para os tribunais de justiça. “eu sou fã da premissa do ecossistema, penso que a gente precisa colocar isso como regra antes de começar a desenvolver um projeto, usar esses grupos de comunicação para saber se alguém já não fez”, comentou.

“Precisamos do alinhamento entre a estratégia digital e a estratégia de negócios, a importância de se estar cada vez mais andando juntos com a tecnologia e a área de negócios para que consigamos fazer acontecer. Nunca vivemos um momento tão oportuno, é hora de a TI brilhar”, expressou.

Nesse primeiro momento, estavam presentes juízes e juízas auxiliares e assessores(as) das respectivas presidências.

Sobre o Consepre

O Consepre, que atualmente é presidido pelo presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJPR), desembargador José Laurindo de Souza Netto, tem como objetivo consolidar uma linha de entendimento nacional em termos de reestruturação da representatividade institucional dos presidentes dos Tribunais de Justiça de todo o País.

Texto: Comunicação Esmat

Fotos: Elias Oliveira/ Comunicação TJTO