O Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) da Comarca de Augustinópolis-TO, realizou, no último dia 21 de julho, a 1ª Oficina de Parentalidade e Divórcio Virtual. A ação é uma iniciativa fomentada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que tem por objetivo provocar reflexões nos pais e mães que passam por conflitos relativos à ruptura da relação conjugal.

A programação contou com a participação do juiz Alan Ide Ribeiro da Silva, coordenador do Cejusc da Comarca de Augustinópolis que também representou o juiz coordenador do polo regional de Araguatins, José Carlos Tajra Reis Júnior, além das servidoras do Cejusc do polo de Araguatins - Maria das Dores Alves Rangel e Wilvilândia Dalvino de Alencar Moura; e das expositoras Vanessa Pereira Costa, Emanuella Lopes da Silva e Natacha Naiade Menezes Almeida, bem como pais e mães que se encontram em processo de disputa judicial.

Boas práticas

“É com muita satisfação que eu abro os trabalhos da Oficina de Parentalidade de Pais e Filhos da Comarca de Augustinópolis-TO, reconhecendo o trabalho grandioso desempenhado pelo Tribunal de Justiça do Tocantins em apoiar as boas práticas de aproximação entre os membros de uma família que se encontram em litígio, para em conjunto evoluírem como pessoas e levarem a paz dentro do próprio seio social, suas famílias", ressaltou o juiz Alan Ide.

A oficina contou com três expositores treinados pelo Conselho Nacional de Justiça e pelo Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec), que desenvolveram as atividades junto aos participantes.

Já as instrutoras, com ensinamentos relevantes, provocaram muitas reflexões para que os pais decidam qual o melhor caminho acerca de seu papel parental.

Foto: Divulgação

Comunicação TJTO