Discutir o que não fazer na Publicidade, para aprender a fazer o que precisa ser feito. Essencialmente este foi o foco do 1º Seminário Brasileiro de Propaganda e Contrapropaganda, realizado neste final de semana de forma online, via plataformas Sympla e Youtube.

O Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO) participou do evento promovido pelo Instituto Brasileiro de Análise de Veracidade (Ibrav).  Estiveram presentes o vice-presidente do TJTO, desembargador Pedro Nelson de Miranda Coutinho, o juiz auxiliar da Presidência do TJTO, Océlio Nobre, a delegada Milena Santana de Araújo Lima, chefe da divisão de Inteligência do Núcleo de Inteligência e Segurança Institucional (NIS).Também participaram representantes da Divisão de Contrainteligência e profissionais do Centro de Comunicação do Tribunal (Cecom-TJ-TO).

“Os serviços prestados pelo Poder Judiciário têm como destinatários a sociedade, cujos meios de comunicação estão cada vez mais dinâmicos. Dessa forma, é imprescindível compreender o impacto da informação e mecanismos para que alcance um maior número de pessoas de forma simples, clara e efetiva”, avaliou Milena Santana.

Sobre os encontros

Serão quatro encontros, sempre aos finais de semana, até novembro de 2021 nos quais são trabalhados temas como introdução ao Estudo da Propaganda, Fundamentos da Propaganda, análises de Propaganda Adversa e Estratégias de Contrapropaganda.

O objetivo é levar os alunos a refletir sobre aspectos relacionados ao emprego da propaganda para a persuasão de diferentes grupos, os mecanismos e processos utilizados para despertar o interesse e obter a adesão do público-alvo, bem como sobre as estratégias aplicáveis para a avaliação e eventual neutralização de mensagens adversas.

Texto: Glês Nascimento

Comunicação TJTO