Magistrados e servidores da Comarca de Palmas estão vivenciando uma experiência inédita com a realização da Correição Geral Ordinária, que pela primeira vez acontece de forma totalmente virtual, via plataforma Cisco Webex, disponibilizada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), devido à pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). 

Os trabalhos tiveram início no último dia 18 e seguem até o dia 28 de maio. Realizadas pela Corregedoria Geral da Justiça (CGJUS), as correições ordinárias têm o objetivo de promover ajustes e adequações pontuais para o aprimoramento da prestação jurisdicional à sociedade. 

Neste ano, todas as reuniões com os juízes e servidores da Comarca estão acontecendo através de videoconferência e com uma nova metodologia, que engloba, entre outros assuntos, diálogos sobre saúde, ambiente de trabalho e boas práticas que possam ser replicadas em outras unidades. 

Repercussão

O juiz Luiz Astolfo de Deus Amorim, titular da Vara de Precatórias Cíveis e Criminais, Falências e Recuperações Judiciais, disse que ficou muito impressionado e satisfeito. “Isso porque nos foi proporcionado um contato direto com todos da equipe da Corregedoria envolvidos na correição desta unidade. Também gostei muito da forma como os trabalhos foram conduzidos, pois a equipe nos deu a oportunidade de responder a todos os questionamentos, esclareceu dúvidas e apresentou sugestões e orientações, tudo objetivando contribuir para a melhoria dos serviços e à prestação jurisdicional eficiente e célere”. 

Para o juiz Rafael Gonçalves de Paula, titular da 3ª Vara Criminal, a correição foi surpreendente, pois embora realizada virtualmente, à distância, foi bastante calorosa. “Pudemos conversar de maneira direta e franca com o pessoal da CGJUS, que procurou orientar os serviços da nossa unidade, indicando as qualidades e informando os pontos em que podemos melhorar”, ressaltou.

O juiz Frederico Paiva Bandeira de Souza disse que a nova modalidade de correição, por videoconferência, além de representar uma positiva mudança de paradigma, mostrou-se bastante produtiva para o Juizado Especial da Infância e Juventude. “A partir das alterações no procedimento correicional, foi possível extrair um diagnóstico preciso da unidade, o que permitiu verificar os resultados já alcançados, compartilhar as boas práticas de gestão e ainda traçar estratégias para aprimorar algumas situações”, destacou.

O técnico judiciário Ronivaldo Aires Fontoura, da 4ª Vara Criminal, destacou que os servidores foram ouvidos nas reuniões administrativa e judicial. “Abordamos nossos gargalos, sugerimos alternativas, falamos daquilo que nos incomoda profissionalmente. Agora é esperar ações gerenciais que nos permitam trabalhar com mais eficiência, no contexto de produtividade e melhor qualidade de vida”.

Alairton Gonçalves dos Santos, escrivão judicial na Vara de Precatórias Cíveis e Criminais, Falências e Recuperações Judiciais da Comarca de Palmas, disse que a princípio ficou com receio da correição por videoconferência não dar certo. “Mas, na verdade, o que aconteceu foi bem diferente. Recebi todas as explicações com antecedência e na hora tudo ocorreu da melhor forma possível. Quero aqui agradecer a toda a equipe que conduziu os trabalhos da correição, tanto a administrativa como a judicial. Foram muito eficientes, prestativos e atenciosos na condução dos trabalhos.”    

As pessoas que quiserem fazer reclamações, sugestões ou tirar dúvidas deverão entrar em contato com a Controladoria das Comarcas por formulário eletrônico disponível no site da Corregedoria ou pelo telefone (63)3218-4278, que a equipe de correição fará reunião por videoconferência com quem desejar.

Texto: Mara Roberta 

Comunicação TJTO