“É uma grande satisfação poder mais uma vez contribuir com um projeto tão relevante na vida de tantas crianças a partir da construção de brinquedos confeccionados e doados por outras crianças a partir de um tema tão especial como está sendo o Ano Internacional das Línguas Indígenas”, afirmou a coordenadora do Centro de Educação Infantil do TJTO (CEI), Luciana Carvalho, ao entregar nesta última sexta-feira (27/11), na Escola de Tempo Integral Daniel Batista de Palmas, brinquedos indígenas confeccionados pelos alunos do CEI.

A entrega é resultado do projeto “Estudar é o meu maior tesouro”, realizado desde 2012 na escola municipal. Durante o ano de 2019, a turma do maternal II-A participou do projeto “Vamos brincar de indígenas” e, no período de 25 a 27 de novembro, construiu, com a ajuda da professora e estagiária da turma, brinquedos indígenas com o objetivo de doar para a escola municipal.

A partir do tema, definido através da Rede Pea Unesco, “Ano internacional das Línguas Indígenas”, foram doados não só brinquedos já utilizados pelas crianças do maternal II/A, mas também os produzidos pelos alunos, como petecas, peões, caxixis, kabuletês e bilboquês, construídos de garrafa pet.

Este é o 4º ano que o CEI contribui com o projeto do ETI Daniel Batista. “Acredito que os pilares da Rede foram realçados, Cultura da Paz, Sustentabilidade, Direitos Humanos e Educar para Cidadania Global através da parceria das duas escolas, CEI Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins e da Escola Municipal Daniel”, ressaltou Luciana.

O projeto

O projeto “Estudar é o meu maior tesouro” idealizado pela orientadora educacional da Escola Municipal Daniel Batista, Scheilla Resende, e que conta com o apoio do CEI Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins, tem como objetivo melhorar o ensino e aprendizagem: trabalhar a conscientização dos alunos e seu papel social na escola, motivá-los para a necessidade do estudo, desenvolver a autoconfiança das crianças e a consciência de sua capacidade de estudar sozinho, além de envolver a família na construção do processo de aprendizagem.

 

Texto: Júlia Fernandes

Comunicação TJTO