A juíza Rosa Maria Gazire Rossi, auxiliar da Presidência Tribunal de Justiça do Tocantins, e o diretor de Infraestrutura e Obras do TJTO, Rogério José Canalli, estão em Brasília (DF) participando do 1º Encontro Nacional de Acessibilidade e Inclusão, promovido pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), por meio da Comissão de Acessibilidade e Inclusão (ACI), aberto ontem e que terminou nesta sexta-feira (20/9).

O evento, que antecedeu o Dia Nacional de Luta da Pessoa Com Deficiência, a ser comemorado neste sábado (21/9), teve como objetivo estimular os órgãos do Poder Judiciário a implementar as normas e diretrizes da Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, da Lei Brasileira de Inclusão das Pessoas com Deficiência (13.146/2015) e da Resolução 230/2016 do Conselho Nacional de Justiça.

“Considero o encontro um marco importante para fazermos o bem em prol desta nobre causa, mediante a ressignificação, não apenas dos espaços com construção de rampas físicas, mas precipuamente atitudinal, fazendo pontes de corações”, afirmou a magistrada, ressaltando ser o evento uma “oportunidade ímpar de nos humanizar diante das adversidades, diferenças. De dizer não a intolerância, e sim ao amor”.

Rosa Maria Gazire Rossi lembrou ainda que “acessibilidade não é só eliminar barreiras físicas, mas acessibilidade na comunicação, metodologia, sensorial, sendo a barreira de atitude a principal a ser rompida”.
“Além do regulamento técnico, das normas, da resolução 230, da NBR9050, para nossa área, importa também é a dimensão humana. É ter uma visão diferente quando formos projetar novos prédios e reformas para o atendimento não só do servidor, mas do jurisdicionado também, que tenha algum tipo de deficiência”, ressaltou o diretor de Infraestrutura e Obras do TJTO, Rogério José Canalli.

A programação contou com palestras sobre práticas que geraram valor de inclusão nas dimensões arquitetônica e urbanística; comunicacional e de serviços; tecnológica; gestão de acessibilidade e atitudinal. Entre os destaques estão as palestras do ministro do STJ, Sérgio Kukina, com o tema "A inclusão nos ambientes de trabalho", e do procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Sérgio Caribé, intitulada "Um olhar sobre a deficiência".

Também a servidora Marina Alonso, deficiente visual que trabalha no Juizado Especial Cível Central do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), apresentou o projeto "Transposição de barreiras atitudinais".

Texto: Jéssica Iane (Com informações do site do STJ)

Comunicação TJTO