A união de esforços de uma comunidade e da Justiça pode fazer a diferença e render bons frutos para toda população. Foi o que ocorreu em Miranorte, onde verbas destinadas pelo Judiciário e de diversas doações da comunidade em geral resultaram na construção da sede da Polícia Militar no município.

A iniciativa partiu do Conselho Comunitário de Segurança Publica e Defesa Social (Conseg-Miranorte), que começou com a ideia de instalar sistema de videomonitoramento, mas que acabou sendo ampliada para construção do prédio, visto que o atual é alugado pelo Estado e não possui a devida segurança para os militares atenderem a população.  

“Decidimos fazer o projeto em duas etapas que consistiram em uma audiência pública para a qual chamamos fazendeiros, comerciantes e a população de um modo geral que desejasse colaborar com o projeto. E depois corremos atrás de prestação de serviços de pedreiros e serventes”, revelou Fernando Mota, presidente do Conseg, lembrando que a Prefeitura cedeu o lote, com a aprovação da Câmara Municipal.

O primeiro mutirão foi realizado em dezembro do ano passado para a construção do muro do novo prédio, cuja planta segue o modelo padrão usado na construção de prédio para os comandos militares. A primeira etapa - construção do muro - foi finalizada em um segundo mutirão para na sequência começar a construção da planta baixa.

Neste sábado (21/9), começa novo mutirão, agora para puxar o contrapiso da parte da calçada da frente e da lateral da garagem e em seguida fazer o revestimento de cerâmica.  “Estamos ansiosos para entregar a obra logo. É uma obra que a comunidade abraçou”, comemora Wanderson Gomes Brito, que coordena voluntariamente os serviços prestados.

Ações dão resultado

Para garantir as obras, o Conseg organizou várias ações para arrecada recursos, como o Costelão Cooperar, que mobilizou cidade em prol da construção do prédio da Companhia da Polícia Militar e também do Hospital do Amor de Palmas, gerando uma arrecadação de R$ 13.608,00, somados ainda aos R$ 30 mil, resultado das penas pecuniárias estabelecidas pela Comarca.

Somadas todas as doações, foram investidos até agora nas obras da sede da PM cerca de R$ 100 mil, estima Fernando Mota, garantindo que a prestação de contas está em dia é avalizada pelos membros do conselho fiscal. Lembrou ainda que a compra de materiais para a obra é feita no comércio local, mediante processo licitatório no qual são avaliados três orçamentos.

Doações  

O novo prédio fica na Avenida Castelo Branco, acima da Feira Municipal e próximo ao Centro de Ensino Médio Ruy Brasil Cavalcanti. Prevista para ser entregue no dia 8 de novembro, a obra é tocada por voluntários através de mutirões aos finais de semana, dos quais participam também condenados a prestar serviços comunitários.  E foco agora da campanha é buscar os recursos necessários para a instalação do sistema de videomonitoramento, a exemplo do que ocorreu em Miracema, onde os índices de violência teriam caído após as câmeras serem instaladas. Para quem quiser fazer doação, a conta do Conselho Comunitário de Segurança (CNPJ- 30.946.706/0001-01) é essa: 12722-1, Agência 4560-8, Banco do Brasil.

PM destaca solidariedade

“Nós corremos atrás com um grupo de amigos aqui da cidade e criamos o conselho comunitário de segurança do município e passamos a correr atrás dos materiais de construção e de serviços especializados. A sociedade, de um modo em geral, abraçou a causa e apoiou a Polícia Militar”, lembrou o capitão Mariozan Aguiar Marques, ex-comandante da sede do 2º Pelotão da Polícia Militar de Miranorte.

“A sociedade mais uma vez se voluntariou para que pudéssemos concretizar este empreendimento tão importante para a segurança de nossa cidade”, ressaltou o subtenente Murilo.

Foco social da Comarca

“O Judiciário tem destinado verbas pecuniárias para entidades e associações de caráter social, entre elas está o Conselho de Segurança. Esse projeto da construção está nos padrões previstos, já que dá novas condições para a Polícia Militar aumentar as condições de segurança”, ressaltou o juiz Cledson José Nunes, titular da Comarca.

Ainda conforme o magistrado, o Judiciário tem caminhado para uma melhor prestação de serviço comunitário. “As pessoas que possuem ciência para auxiliar nos mutirões estão sendo encaminhadas para ajudar na construção.”

Texto Natália Rezende/ Foto: Divulgação

Comunicação TJTO