A comemoração do Dia das Mães é uma data repleta de significado, e esses seres extraordinários merecem atenção especial da sociedade. Diante desse sentimento de pertencimento é necessário também contemplar mulheres que estejam privadas de liberdade.  Por isso, o Poder Judiciário do Tocantins realizou a campanha Toda Mãe Tem Seu Valor, que resultou , nesta manhã (15/5),  na entrega de  kits de higiene pessoal para 62 reeducandas da Unidade Prisional Feminina de Palmas.

A campanha “Toda Mãe Tem Seu Valor e Merece Respeito e Amor, Sem Julgamento”, mobilizou os servidores do Tribunal de Justiça, a Corregedoria Geral da Justiça, o Fórum da Comarca de Palmas, Escola Superior de Magistratura (Esmat), a Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins (ASTJ) e a sociedade civil. A iniciativa faz parte do Plano de Logística Sustentável do Judiciário, que visa entre outras medidas ações sociais.

“O Judiciário do Tocantins, nesta atual gestão, está buscando ativamente promover uma Justiça cidadã e isso volta nosso olhar para as demandas sociais, incluídas no plano de sustentabilidade. Com isso, esta ação é mais uma iniciativa de caminharmos cada vez mais próximos da sociedade”, afirmou a chefe de gabinete da presidência do TJTO Glacielle Torquato, que participou da entrega representando o desembargador Helvécio de Brito Maia Neto.

A chefe de gabinete da Corregedoria de Justiça, Kênia Cristina de Oliveira, também participou da entrega, para ela a massa carcerária feminina é a mais carente dessa assistência familiar. “Ao saber da situação delas, desenvolvemos a campanha que surgiu de uma vontade de ajudar as reeducandas, já que notamos que os homens presos tem alguém que dá maior assistência. As famílias geralmente se privam em apenas cuidar dos filhos, e essa mulher fica abandonada”, explicou ao ressaltar o envolvimento dos servidores da CGJUS.

E ao tomar conhecimento das doações às reeducandas ficaram ansiosas e curiosas para receber os kits. “Elas querem saber o que há nos kits e começam logo há perguntar que dia será a entrega. A falta de uma devida assistência às deixavam muito agitadas, e receber as doações mostramos que existe pessoas que prestam atenção às demandas delas”, constatou Lídia Nara Gomes Malagoli, diretora da Unidade Prisional Feminina.

“O sentimento é de gratidão, e de pertencimento, tal como se tivéssemos revendo nossos familiares, já que com essas doações nos sentimos lembradas e assistidas pelas pessoas”, afirmou Ângela Peres da Silva, que cumpre pena de cinco anos, e quatro meses de reclusão.

O superintendente de Administração dos Sistemas Penitenciário e Prisional, Orleanes de Souza Alves, destacou que apesar dos avanços, muito ainda precisa ser feito para que a condição carcerária seja a ideal, e que a parceria entre os poderes e a sociedade, através de ações sociais é fundamental para as reeducandas. “Temos reeducandas aprovadas no Enem, necessitamos dar a elas uma unidade que atenda a demanda jurídica. Nossa missão é planejar e estruturar isso para que haja uma execução de pena como deve ser”.

Campanha

Durante a campanha de arrecadação, caixas foram espalhadas pelos prédios do Poder  Judiciário, sendo arrecadados um total de 78 kits, contendo cada, um shampoo, um condicionador, um hidratante para o corpo, um desodorante, uma escova de dente, um creme dental, dois sabonetes, dois pacotes de absorvente higiênico, dois rolos de papel higiênico.

A direção da Unidade também foi contemplada com materiais de reposição, como 25 litros de shampoo e 10 litros de creme para os cabelos. As reeducandas também ganharam diversos itens de maquiagem, além de 70 esmaltes e kits individuais de manicure, contendo acetona, algodão e lixas de unha.

Educação

Durante a entrega dos materiais, a equipe do Poder Judiciário ainda conheceu na Unidade Prisional o funcionamento de uma escola na modalidade EJA, e que mesmo diante de um cenário sem estrutura adequada para atender todas as presas, promove a mudança de vida por meio da educação. Francisca Pereira de Souza, coordenadora responsável pela escola, juntamente com as professoras, Wanessa Ribeiro da Silva e Joelma Cardoso Boris, foram reconhecidas pelo trabalho educacional com reeducandas, no prêmio Missão Pedagógica no Parlamento, pela Câmera dos Deputados.

Texto: Natália Rezende/ Fotos: Rondinelli Ribeiro.

Comunicação TJTO