O Poder Judiciário do Tocantins entregou, na tarde desta quarta-feira (15/6), as instalações dos Centros Judiciários de Solução de Conflito e Cidadania (Cejusc) das Comarcas de Miranorte e Miracema do Tocantins.

A entrega foi feita pela coordenadora do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec), juíza Umbelina Lopes Pereira, e contou com a presença do diretor geral do Tribunal de Justiça, Francisco Cardoso, representando o desembargador Ronaldo Eurípedes, e do diretor administrativo, Carlos Henrique Drumond.

Em ambas as oportunidades, compareceram os juízes das comarcas e representantes do Ministério Público, OAB e Defensoria Pública. Em Miranorte, o prefeito da cidade, Frederico Melo, e os prefeitos de Dois Irmãos, Francisco Carlos Tozzatti, e de Barrolândia, Leila Rocha, estiveram presentes ao evento.

O titular da Comarca de Miranorte, juiz Cledson José Dias Nunes, também acumula a função de coordenador do Cejusc. Em Miracema, o coordenador é o juiz Marco Antônio Silva Castro. Prestigiaram o evento, naquela Comarca, o diretor do Foro, juiz Marcello Rodrigues de Ataíde, e o juiz André Fernando Gigo Leme Neto.

A coordenadora do Nupemec disse que vê com alegria a entrega do Cejusc de Miracema e Miranorte, “além dos outros que estão sendo implantados nas demais comarcas de terceira e na comarca de Augustinópolis. A sociedade ganha com isso, porque vai ter um ambiente próprio para a resolução adequada de conflitos através da mediação e da conciliação com um terceiro habilitado para, utilizando técnica de comunicação e do diálogo, ajudar as pessoas envolvidas em conflitos a resolverem o problema”.

O coordenador do Cejusc de Miracema, Marco Antônio Castro, disse que o Centro chegou numa hora em a sociedade joga tudo nas mãos do Judiciário “e não é isso que queremos. Nós defendemos as soluções pré-processuais, em que as partes entrem em consenso, logicamente com ajuda dos servidores da Justiça, que estão treinados para isso. Com o Cejusc aumenta a possibilidade de pacificação da sociedade.”

O titular do Foro de Miranorte, Cledson José Dias Nunes, disse que “o que se busca com o Cejusc é que o conflito seja resolvido no menor espaço de tempo possível, com pessoas preparadas, num ambiente próprio para isso, com toda a estrutura que o Tribunal tem nos fornecido. Acredito que, com o Cejusc, nossos índices de autocomposição das partes vão aumentar. O Centro vai trazer a justiça de forma mais célere, com a resposta que o cidadão gostaria, sem imposição do Judiciário”.

O diretor geral do TJTO, Francisco Cardoso, disse que “retorno a Palmas mais cheio de energia e mais disposto a trabalhar para atender as demandas do Nupemec, porque o envolvimento dos senhores magistrados com o projeto, a começar pela doutora Umbelina, nos contagia a todos”. Segundo ele, “se não fosse pelo comprometimento de nossos magistrados, não teríamos condição de estar, cada dia mais, dando um passo rumo à modernidade, para dar ferramentas para que a sociedade consiga ter do Judiciário o serviço com a qualidade que ela merece”.

Texto e Fotos: Luiz Pires/TJTO