No encerramento do III Encontro da Rede de Governança Colaborativa da Justiça Estadual, na tarde desta quarta-feira, 14, foram apresentadas as metas aprovadas durante o evento: ‘Estabelecer políticas de desjudicialização e de enfrentamento do estoque de processos de execução fiscal até 31 de dezembro de 2017’; e ‘Fortalecer a rede de enfrentamento à violência doméstica e familiar contra as mulheres’. Rosângela Vieira de Souza, coordenadora de planejamento do Tribunal de Justiça de Rondônia, explicou que a “Carta de Belém”, com o resultado detalhado do encontro, será submetida aos Tribunais para votação do texto final. 
 
A coordenadora de padronização e aperfeiçoamento de boas práticas das serventias judiciais do TJPA, Ana da Silva Melo Zoppé Brandão, apresentou palestra sobre o Projeto de Padronização das Serventias Judiciais, explicou
as vantagens do novo sistema de organização cartorária e relacionou comarcas e varas que já adotam o modelo novo. Segundo ela, a meta do tribunal é atender todo o estado do Pará.
 
A secretária de planejamento e gestão estratégica do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, Simone Nunes de Miranda Carrer, durante sua apresentação sobre ‘Melhoria de Gestão de Pessoas’, destacou que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) editou recentemente a Resolução 240, que instituiu o Comitê de Gestão de Competências, o que já supriria a discussão do assunto pelo grupo. No que foi acompanhada pelos presentes.
 
Wanderley Horn Hulse, assessor de gestão estratégica do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, disse que o trabalho não se encerraria naquele encontro, e que a responsabilidade era de todos os Tribunais Estaduais. “É por isso que temos que fortalecer nosso seguimento, e passar tudo o que foi discutido aqui ao presidente de cada tribunal, para que não se percam essas informações. Igualmente importante, é desenvolver uma continuidade de metodologias, para que mesmo com as mudanças na gestão dos órgãos, sejam mantidos os objetivos traçados, em curto, médio, e longo prazo.”
 
A juíza auxiliar da presidência e coordenadora das metas do TJPA, Sílvia Mara Bentes de Souza Costa, que representou o presidente do Tribunal, desembargador Constantino Augusto Guerreiro, agradeceu aos participantes e aos presidentes dos tribunais estaduais por enviarem suas equipes para discutir propostas de metas conforme as necessidades e peculiaridades de cada região. Segundo ela, é preciso levar em consideração justamente estas diferenças para que sejam adotadas metas alcançáveis.
 
“O participante da rede de governança também tem a sensibilidade de pensar naquele magistrado e naqueles servidores que estão sozinhos, em comarcas de vara única, com uma infinidade de metas para cumprir. A diversidade e a troca de experiências da rede são maravilhosas, quanto acréscimo nós temos. Com pessoas altamente técnicas, vimos aqui que não bastam boa vontade, boas ideias, é necessário refletir, estudar a possibilidade de executar, e a rede representa tudo isso”, concluiu a magistrada.
 
Presentes ao encerramento do evento, as desembargadoras Elvina Gemaque Taveira e Vania Fortes Bitar, e a secretária de planejamento do TJPA, Maria de Nazaré Rendeiro Saleme.
 
Fonte: Coordenadoria de Imprensa 
Texto: Martha Lucia Rios 
Foto: Ricardo Lima/TJPA / null
 

ONDE ESTOU